35ª Semana do Migrante terá programação on-line e mobilização nas redessociais



Na pauta estão discussões sobre migração na infância, a questão de gênero e migração interna. A iniciativa acontece de 14 a 21 de junho.

Há mais de três décadas a Semana do Migrante mobiliza pessoas, grupos e comunidades para ações que promovam acolhida, integração, defesa de direitos, além de partilha, no campo das experiências sagradas e multiculturais de todos os povos.


Em sua 35ª edição, diante do cenário de crescentes fluxos migratórios, da crise sanitária e social que se intensificou para a população migrante no Brasil, com a pandemia de Covid-19, a iniciativa propõe o tema Migração e acolhida. O lema traz uma pergunta às consciências: Onde está teu irmão, tua irmã? “Como é importante refletir sobre esses nossos irmãos e irmãs que precisam do nosso apoio e do nosso espírito de comunhão. O próprio lema nos motiva a isso. Nesse tempo de pandemia de coronavírus precisamos vivenciar a solidariedade, a compaixão, precisamos testemunhar o Evangelho”, destaca o bispo da Diocese de Brejo (MA) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sociotrasformadora, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom José Valdeci Santos Mendes.


“Quando trazemos essa inspiração bíblica no lema, a partir do livro do Gênesis, é para lembrar que Deus nos interpela: ‘Onde está o teu irmão, tua irmã?’ (Cf. Gn 4,9). Qual é minha resposta a Deus? É a mesma resposta de Caim que interpela a Deus dizendo: ‘Por acaso eu sou o guarda do meu irmão?’ Ou nossa resposta é afirmativa: Eu sou guarda do meu irmão? Precisamos nos lembrar que somos humanos. Muitas vezes, acabamos não agindo como irmãos uns dos outros, e nem nos dispomos a ajudar aqueles e aquelas que estão ao nosso redor precisando de solidariedade, consolo, amizade e presença. Não é só na pandemia que a gente faz uma ação emergencial, ajudar o outro é um ato, inclusive, que pode nos melhorar enquanto seres humanos”, afirma Roberto Saraiva, membro da coordenação colegiada executiva do Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM).

“A Semana do Migrante chama a nossa atenção para o aumento do fluxo migratório e das situações de refúgio nos últimos anos. Além disso, a grave crise política e econômica que o país enfrenta, junto com a pandemia, acentua o desemprego, frustra as expectativas de quem busca uma vida mais digna, aumenta a fome, a miséria e a vulnerabilidade da população empobrecida. Entre os que mais sofrem, estão as pessoas em situação de migração. Mesmo sendo em grande quantidade, são pessoas invisíveis para o sistema. Para elas não se efetivam nem políticas públicas, nem direitos”, destaca a vice-presidente da Cáritas Brasileira, Cleusa Alves da Silva.

A Semana do Migrante retoma o apelo da Campanha da Fraternidade 2020 que trouxe o lema Viu, sentiu compaixão e cuidou dele (Lc 10, 33-34). “Os irmãos e irmãs caídas à beira do caminho demandam de nós o olhar, a atenção e o cuidado. Celebrar a Semana do Migrante é uma oportunidade de aprofundar nossa espiritualidade profética e comprometida com a transformação social e com a vida de quem mais sofre, cultivando a esperança e a solidariedade”, completa a vice-presidente da Cáritas Brasileira.